Luis de Camões - O Astrólogo

 

A CIÊNCIA ASTROLÓGICA NOS LUSÍADAS

 

NO ANO DAS COMEMORAÇÕES DO 480º ANIVERSÁRIO DO NASCIMENTO DO GRANDE POETA LUSITANO PRETENDEMOS, COMO JUSTA HOMENAGEM, IR AO ENCONTRO DO SEU DESEJO, COLHENDO EM SUA FECUNDA OBRA AS PRECIOSAS INFORMAÇÕES COLOCADAS TÃO SABIAMENTE NOS SEUS VERSOS GENIAIS..

 

A data do nascimento do maior poeta da língua portuguesa, Luis Vaz de Camões, foi determinada por ele, através de informações astrológicas, as quais inseriu sabiamente entre os magníficos decassílabos de seus Luzíadas,  na épica como na lírica e encontra-se definitivamente estabelecida...

Assim como as sentidas reminiscências de sua doce amada Dinamene, a Cordeira Gentil, “Alma minha gentil que te partiste”... emocionantemente retratada nos geniais versos camonianos...

Dois lobos cruéis roubam-lhe a felicidade: Saturno – o lobo do seu destino -, rouba-lhe a Fortuna, prêmio de Júpiter; e  Marte – o lobo do amor rouba-lhe a doce Dinamene, (cujo nome chinês, segundo Antenor Nascentes, aportuguesado em Macau onde a conhecera Camões,  é “Ti-Nan-Men”), a linda chinesinha morta em um naufrágio no Rio Mechong, na Indochina...

Diz a tradição que Camões perdeu nesse naufrágio a Gentil Cordeira “Tin-Nan-Men”, mas teria salvo, nadando, os manuscritos dos Lusíadas...

Por ocasião do aniversário comemorando 480 anos do nascimento do  poeta luso, procurei reunir evidências astrológicas sabiamente inseridas na épica e na lírica do grande vate português.

Até 1650 foi tida como verdadeira, segundo um dos seus biógrafos – Faria e Sousa -,  a data de 1517. Em seguida modificaram-na para 1524 ou 1525...

No Arquivo da Biblioteca Nacional de Lisboa, segundo Mario Saa, encontra-se o registro de um depoimento do século XVI afirmando que Luis Vaz de Camões alistou-se para servir na Índia em 1550, dando como idade 25 anos, o que faz prever que teria nascido em 1525...

Era este, aparentemente, o único registro comprobatório da data do nascimento do poeta.

Muitas pesquisas se fizeram mas todas permaneceram na estaca zero...

Continuava dúbia a informação sobre a verdadeira data de seu nascimento...

Foi o grande escritor e astrólogo português Mario Saa, citado acima, que iniciou uma pesquisa lúcida e científica, baseando-se nas memórias astrológicas de Camões.

Na realidade, não são poucas as citações encontradas nos versos épicos e líricos, fazendo coincidir importantes fatos astrológicos, como a magna conjunção de Saturno e Júpiter no dia em que nasceu, o Eclipse do Sol no dia exato do seu primeiro aniversário, ocorrido no dia da estrela funesta (Saturno na linguagem da época), além de afirmar posições de planetas como Marte fustigando Vênus, Saturno fustigando Júpiter, a Lua Cheia se levantando no Oriente, na  Casa 12, e ter nascido com o Sol no signo de Aquário...

A hora exata foi devidamente confirmada quando diz que nasceu na terceira hora funesta noturna (hora de Saturno), sob influência  do funesto Saturno ou seja entre 20 e 21 horas  da noite..

As indicações dos planetas, acima citados, em casas determinadas, fornece os elementos para confirmarmos a hora exata, ou seja 20hs40min, do dia 23 de janeiro de 1524. em Lisboa...

Os cálculos diamantinos de Mario Saa, baseados nessas informações, acrescidas da indicação de Camões de que a “Lua Cheia se encontrava suspensa sobre o horizonte oriental”, não deixam dúvidas da exatidão da hora pesquisada...

Temos a partir daí, indubitavelmente, os dados indispensáveis para traçarmos com segurança o mapa do Luis Vaz de Camões...

Para chegar a essas conclusões, consultei alguns de seus biógrafos, entre os quais Faria e Sousa e Teófilo Braga, entre outros, e fundamentalmente o grande escritor e astrólogo, também português, profundo exegeta da obra de Camões, Mario Saa que de maneira magistral penetrou profundamente o pensamento do poeta, arrancando-lhe as preciosas informações, colocando novas e providenciais luzes para o aclaramento da verdadeira data do nascimento do maior poeta da língua portuguesa, que tem sido com justiça, igualado à Homero para a língua grega e Virgílio para a língua latina...

Enquanto se perseguia a data somente atendo-se a fatos históricos, os elementos disponíveis foram frágeis e  insuficientes...

Tomando ciência do fato, até então inédito, de que Luis de Camões era profundo conhecedor da Astrologia, a partir do momento em que alguns lúcidos biógrafos, também conhecedores da ciência astrológica se empenharam nessa direção, foi possível se estabelecer com segurança, não somente o dia, o mês e o ano, mas, também, até a hora de seu nascimento, como poderemos explicar ã luz dos conhecimentos e evidências astrológicas,  adiante...

Sabemos que para traçar um horóscopo necessitamos da hora, dia, mês e lugar de nascimento... Mas se já temos as posições em que se encontravam os planetas do Mapa Estelar Natal, facilmente poderemos efetuar a construção do horóscopo....

 

Vejamos o verso profético, proposto por Mario Saa para confirmar o ano do nascimento de Camões:

 

“O dia em que nasci morra e pereça

Não o queira, jamais, o tempo dar

Não torne ao mundo; e se tornar,

Eclipse nesse “passo” o Sol padeça...”

Ao pesquisador atento não restará dúvida de que na “redundância”  (morra e pereça) está implícito o duplo infortúnio ou o dia do seu nascimento em 23 de janeiro, coincidindo com a conjunção Saturno e Júpiter quando, segundo Camões, Saturno o lobo, aflige a fortuna, (Júpiter) roubando-lhe a sorte; e o eclipse do Sol o qual haveria de ocorrer, nesse  mesmo dia (o “passo” do Sol), um ano depois, no mesmo dia 23 de janeiro do ano seguinte, no seu primeiro aniversário...

A profecia de que se o dia do seu nascimento se repetir no aniversário (no ano seguinte): “Eclipse nesse passo o Sol padeça...”

E Camões acrescenta com precisão astrológica que nasceu debaixo da influência funesta de Saturno...

 

“Quem nasce em dia

De estrela tão dura

Não acha ventura

Não pôs minha  Estrela

Mais ventura em mim...”

 

A estrela tão dura dos alfarrábios astrológicos, é  Saturno o qual, nesse dia, infringia à Fortuna que é Júpiter restrições responsáveis por toda a desgraça de sua vida....

 

“O dia em que nasci, morra e pereça

Não queira jamais o tempo dar

Não torne ao mundo e, se tornar,

Eclipse nesse “passo” o sol padeça....

 

Ora, as tábuas astronômicas da época confirmam  que o único eclipse do Sol, ocorrido em um sábado, (dia do mesmo Saturno que o afligira no dia do seu nascimento), entre 1515 e 1540 – período inarredável do evento -, teve  seu curso no signo de Peixes no  dia 23 de janeiro de 1525, por ocasião do primeiro aniversário do poeta, ou seja em 23 de janeiro de 1525... 

Fica bem claro que Camões afirma que tendo o eclipse ocorrido no dia do primeiro aniversário de seu natalício, óbvio está afirmando que nasceu no dia 23 de janeiro, mas no ano anterior ao funesto eclipse, de 1525,sob influência de Saturno...

Como astrólogo discordo da interpretação da época quando se afirmavam funestos os efeitos dessa conjunção... Mas isto não ofusca em nada as magníficas citações astrológicas de sua obra...

 

Em outros de seus versos repete a nênia triste de seu trágico destino quando decanta com amargura os 2 maiores dramas de sua alma: a vida de heróicas e desastradas aventuras e o doloroso desfecho que foi o trágico desaparecimento de sua bem amada Dinamene.

 

“Ðois lobos... logo a voz e a melodia

Te fugirão, e o som suave e puro!

 

Bem foi assim porque um me degolou

Quanto gado vacum pastava e tinha

De que grandes soldadas esperava...

 

E, por mais dano, o outro me matou

A “Cordeira Gentil” que eu tanto amava

Perpétua saudade de alma minha!”

 

Os “dois lobos” são Saturno que lhe rouba a Fortuna, e Marte que lhe mata o amor... Os quais se encontravam anareticamente colocados no horóscopo do dia do seu nascimento...

Desejo com essa evocação à vida e obra de Luis Vaz de Camões, ajudar a despertar novas emoções nas almas dos cultores do Saber, para o magistral Poema da Humanidade, composto pelo  grande poeta de quem somos culturalmente herdeiros...